Amor

Vamos falar de amor!

Mas não esse amor romântico de contos de fadas, de codependência, de livros como Lolita, de homem mulher, homem homem, mulher mulher, de filhos, de família, de amigos e de pessoas queridas.

Pessoas que ao nosso convívio, são facies de amar, as vezes nem tão fácies assim, mas temos que amar porque é o que manda a convenção, os bons modos e costumes, a religião, a escola e a própria família que aprendeu isso lá de trás sem nunca questionar, e assim os ensinamentos são passados de geração para geração.

Mas Kati se isso não é amor, então o que é?

É AMAR!!! Sem fazer distinções, sem saber porque, sem explicações, sem armações, sem truques, sem conveniências, sem trocas…

Em geral amamos esperando algo em troca e isso é em qualquer circunstancia,  até no amor de mães e filhos, que teoricamente deveria ser puro… mas nem sempre é. Quando em casos “normais” os pais amam, mas amam acreditando piamente que serão reconhecidos por esse amor, e esse reconhecimento esta regado de expectativas, que colocamos nos filhos esperando que eles nos amem e nos respeitem da mesma forma, quando isso não acontece, vem as lamentações “onde foi que eu errei”, “o que fiz pra merecer isso” e por ai vai…

E quando falamos dos casos que não são “normais”, como das mães que abandonam seus filhos, das mães que desenvolve depressão pós parto. O que será que elas querem comunicar? Elas perante a sociedade não são elegíveis para amar?

No caso da depressão pós parto é digna de pena, afinal é uma doença, no caso do abandono e digna de morte, porque uma mãe dessa, não merece ser mãe.

Não é assim que ouvimos o outro falar? Esta expressão “e assim diz o outro”, muito bem comunicado pela Excelentíssima Ministra Carmem Lúcia como diz o outro, não é passivo de processo, afinal, foi o outro que disse, e se eu não sei quem é o outro, como posso processar?

Agimos assim, repetindo o que os outros dizem, o que os outros fazem, sem enxergar aquele individuo, como individuo único.

“Existem duas grandes forças que regem nossos comportamentos e determinam nossas ações: o Amor ou o Medo. No fabuloso livro Um Curso Em Milagres, é dito que tudo que existe no Universo é amor, e o que não é amor é um pedido por amor – e o que não é amor é medo, e se tudo o que não é amor é um pedido por amor, o medo nada mais é do que isso: um pedido por amor. E se o medo é um pedido por amor, o medo é apenas uma ilusão” Flavia Melissa.

Se assim é, nós amamos verdadeiramente as pessoas, ao fato de aceitar o que elas são e o que elas podem dar naquele momento?

Entendo que minha missão aqui seja essa. A de propagar o amor incondicional ao maior numero de pessoas possíveis. Porque se podemos ensinar as pessoas odiarem, também podemos ensiná-las a AMAR!

Então sigo AMANDO…

Katiuscia Santana

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s